O terramoto no Haiti foi há 7 anos

haiti-delassalines041

O Haiti é considerado o país mais pobre da América e de todo o hemisfério ocidental e é particularmente fustigado por catástrofes naturais.

Em 2010, a AMI interveio primariamente na resposta ao sismo com uma missão de emergência na área da saúde e na área da gestão de campos de deslocados internos. Desde então, iniciou também diversas parcerias com organizações locais a quem tem financiado projetos.

A passagem do furacão Matthew, em outubro de 2016, agravou a instabilidade sócio-económica no Haiti. A zona do “Grand Sud” foi muito afetada, verificando-se um rasto de destruição ao nível de plantações, pecuária e comércio. De acordo com o relatório apresentado pelo Ministro do Interior Haitiano, mais de 175.000 pessoas foram alojadas em 224 abrigos temporários, depois de perderem as suas habitações.

Perante este cenário, a ONG local REFRAKA, apresentou à AMI um projeto de resposta  de emergência após a passagem do Furacão Mathew, no valor de €15.000, intitulado “Intervention urgente en solidarité avec les animatrices et les radios communautaires dans le grand sud”.

O projeto pretende beneficiar diretamente mulheres animadoras, produtoras e responsáveis pela rede de rádios comunitária e homens e jovens de onze comunidades, num total de 104 pessoas. Indiretamente, o projeto beneficiará cerca de 750 mil pessoas, considerando o alcance das mensagens de rádio.