Em nome da Europa, de África e do Médio Oriente, acuso!

A imigração em massa em direção à Europa ainda agora « vai no adro ». E é bom precisar que apenas 10% da população em fuga de África e do Médio Oriente consegue chegar ao Mediterrâneo. Os restantes 90% tornam-se ou deslocados nos seus próprios países (IDP) ou refugiados nos países vizinhos, eles próprios incapazes de absorver todas essas famílias em debandada.

Quais são as causas profundas destes êxodos? Como controlá-los e transformá-los de maior desafio a curto prazo para a Europa numa oportunidade excepcional de acabar e compensar os terríveis erros que nós, os «ocidentais», temos vindo a cometer há, pelo menos, um século nessas regiões do mundo (Conferência de Berlim e a partilha de África em 1884/1885, e a partilha do Médio Oriente após o fim do Império Otomano em 1923).

Mas a transformação desse enorme desafio em oportunidade única, terá de ser conseguido antes que o mesmo degenere no maior pesadelo para a Europa desde o fim da II Guerra Mundial, com o regresso em força de regimes fascistas e o desencadeamento de uma III Guerra Mundial, cujo maior preço será pago pela Europa. Triste e lamentável é que a “Europa” não tenha sido capaz, com a incorporação da Rússia após a queda do muro de Berlim, de se constituir como o terceiro pilar global do Mundo, e estabelecer, assim, o equilíbrio necessário com o pilar norte americano (ou anglo-saxónico) e o pilar asiático que se vem construindo a todo o vapor (desejando que um quarto pilar – africano – venha a construir-se um dia).

O Mundo então com os seus quatro indispensáveis pilares, alcançaria a estabilidade e harmonia tão necessárias ao contrário do caos para o qual nos estamos todos a encaminhar precipitadamente.

E o mais dramático é que o cenário migratório já em curso, e insustentável a menos que seja feito um diagnóstico correto seguido de um tratamento adequado, já era previsível há pelo menos trinta anos (jamais esquecerei o encontro que tive em Washington com o antigo Secretário Geral da OCDE, Sr. Jean Bonvin, há cerca de 19 anos, que me disse então que vinte a vinte e cinco anos mais tarde iríamos assistir à maior vaga migratório global de toda a História), tal como eram previsíveis as alterações climáticas (basta lembrar que a Cimeiro do Rio data de 1992!) e o crescimento demográfico, com particular incidência em África, sem que nada, ou muito pouco, tenha sido feito para prevenir as duas maiores catástrofes humanitárias em curso: as alterações climáticas e a crescente onda migratória (para não falar da corrida armamentista e da robotização/inteligência artificial).

Qual a origem do fluxo migratório massivo em direcção à Europa e aos EUA e quais as suas causas profundas?

A deslocação em massa das populações em direcção à Europa e aos EUA, provenientes de África, do Médio Oriente e da América Latina não têm outra causa senão o medo, o terror, o mais profundo desespero quanto ao futuro devido à desgovernação, aos conflitos e à insegurança física, hídrica e alimentar…

E porque é que esse terror e esse sentimento profundo de inexistência não lhes faz temer a morte durante o êxodo?  Porque, de facto, esses seres humanos em movimento imparável já se consideram mortos-vivos, sem mais nada a perder! As causas profundas são:

A – Conflitos versus «Democracia à bomba»

  1. A pseudo primavera árabe com, in fine, tal “cereja em cima do bolo”, a destruição total, o desmembramento e o caos da Líbia que provocou a mais absoluta insegurança na região do Sael. Insegurança essa que se alatra já mais para sul…
  2. A destruição do Iraque, da Síria – e para quando o Irão? – (após a zizania semeada no Afeganistão e, por ricochete, no Paquistão), conseguiram instalar o caos total no Médio Oriente, como se a não resolução satisfatória e ética do drama palestiniano não bastasse, o que esteve sem qualquer dúvida na origem e desenvolvimento do DAESH / Estado Islâmico / ISIS, com o apoio direto da Arábia Saudita e dos Emirados Árabes e a conivência da Turquia de Erdogan… O ISIS alastrou-se e é mais perigoso a curto prazo para a Europa do que a Al-Qaeda!
  3. A ingerência na Ucrânia com o objetivo de fazer uma afronta à Rússia, violando e usurpando o poder constitucional então existente. Em vez de incluir a Rússia na Europa em 1989/1991 (queda do muro de Berlim e implosão da União Soviética) o que seria indispensável (população, valores cristãos e culturais, geoestratégia, energia, capacidade militar) para a construção de um verdadeiro pilar europeu, mas que os governos alemão, polaco, norte-americano e dos países bálticos nunca quiseram aceitar… A Europa (UE) e o Ocidente tudo fizeram para diminuir, humilhar e afrontar a Rússia conseguindo, como único resultado uma aproximação entre a Rússia e a China o que criou uma enorme ameaça para o Continente Europeu. Como foi possível governantes ignorantes acreditarem poder retirar a Crimeia à Rússia?! Meus Senhores, vão rever a História…

B – Subdesenvolvimento e pobreza/miséria crónicas e estruturais em África

E no entanto o bem informado e sábio René Dumont já tinha feito soar o alarme a partir de 1960 nos seus magníficos livros «L’Afrique est mal partie» (A África começou mal) e «Au nom de l’Afrique, j’accuse» (Em nome de África, acuso).

Os últimos quarenta anos «de ajuda ao desenvolvimento», devido au binómio «corruptor/corrupto» amplamente utilizado, assim como a ignorância e a incapacidade de estabelecer objetivos concretos a curto, médio e longo prazo em África, que beneficiassem as populações e não os seus dirigentes corrompidos, foram particularmente desanimadores, dececionantes e prejudiciais. Praticamente pouco ou nada ficou dessa ajuda ao desenvolvimento a não ser os eufemismos de apelação desses países que passaram de «subdesenvolvidos» a «menos avançados » a, finalmente, «em vias de desenvolvimento »… Tanta asneira arquitetada nas torres de marfim de certos iluminados, pseudo estrategas e peritos em desenvolvimento que mais não conseguiram que demostrar as suas incompetências, indiferenças, insensibilidades e irresponsabilidades!

A verdade é que, desde as independências, o fosso norte-sul só se aprofundou (bastando para isso comparar o PIB per capita, entre a Europa e a África de então e de hoje) na medida exata em que o desespero e a desesperança aumentaram a sul. E conhecedor que sou de 50 dos atuais 55 países do Continente Africano, sei exatamente do que falo…

África, com a conivência da maioria dos governantes, foi repartida à régua e pilhada à nossa conveniência inconsciente. Atualmente, já não tendo a Europa mão no jogo, está a ser cada vez mais confrontada com novos e poderosos «adversários », nomeadamente: China, Índia, Japão, etc.

C – Alterações climáticas

Os seus efeitos nefastos já estão em curso um pouco por todo o Mundo mas, a curto e médio prazo, tornar-se-ão verdadeiramente catastróficos, sobretudo em África, na América Latina e na Ásia Meridional e Central.

Conhecidas as causes e estabelecido o diagnóstico, impõe-se aplicar um tratamento realmente eficaz ainda que o seu pleno efeito só possa conseguir-se daqui a trinta anos no mínimo dos mínimos!

Atualmente, dezenas ou centenas de milhares de pessoas, ou milhões, estão em movimento ou olham para a “Europa” e para Norte do Continente Americano (EUA e Canadá) como o último El Dorado possível. Mas rapidamente, a corrente migratória vai-se multiplicar exponencialmente de quatro direções principais:

  1. África com os seus três eixos de penetração (Somália, Eritreia, Etiópia, Egito ou Sudão por um lado; Líbia, Tunísia, Mali, Nigéria, Chade, República centro-africana, Congo ou Burundi por outra parte e, por último, através de um terceiro corredor, Senegal, Mauritânia, Guiné, Libéria, Marrocos ou Argélia)
  2. Médio Oriente com sírios, afegãos, paquistaneses, curdos, iraquianos ou palestinianos
  3. América Latina
  4. Europa de Leste e Ásia Meridional.

A Europa e os EUA estão-se a constituir cada vez mais como fortalezas: muros, arame farpado, medidas securitárias, nomeadamente militares, sucedem-se! No entanto não é certamente essa a solução, tanto mais que, como a História nos ensina e como não me canso de repetir ad nauseum há anos, «não há montanha inacessível, nem obstáculo intransponível, nem fortaleza inexpugnável»: o Everest foi vencido, a muralha da China foi vencida pelos mongóis, o Crac dos Cavaleiros Cruzados na Síria foi ocupado, a fortaleza de Constantinopla foi tomada pelos otomanos, o desembarque foi possível na Normandia… E estes são apenas alguns exemplos.

D – A robotização e a Inteligência Artificial

Com capacidade de auto-aprendizagem de autonomia energética e com capacidades cognitivas surpreendentes que provocarão nas próximas décadas o desemprego de centenas de milhões de pessoas, a começar pelos menos diferenciados para já…, em todo o mundo, inclusive também na Europa e na América do Norte.

Então que fazer ?

  1. Parar de provocar conflitos à volta da Europa, seja na África do Norte, no Médio Oriente ou na Ucrânia… e, na medida do possível, com equidade e transparência, tentar acabar com as catástrofes e repor todos esses comboios descarrilados nos carris. Para tal seriam, evidentemente, necessários homens/mulheres políticos com conhecimento, visão estratégica, sentido de Estado e de diálogo, vontade, determinação, sensibilidade humana, bom senso e não ignorantes aprendizes feiticeiros e demagogos com vistas políticas curtas.
  2. Estabelecer um verdadeiro «Plano Marshall» de pelo menos, cem milhões de milhões de euros para África, Médio Oriente e América Latina, geridos em três fases: Urgência – Reabilitação – Desenvolvimento, para os próximos dez anos. Loucura? De maneira nenhuma, se pensarmos que o “clash” financeiro absorveu muito mais desde 2008. E ainda não sabemos o que está para acontecer sobre essa sigilosa matéria! Gerido de forma transparente, assim que for anunciado inequívoca e responsavelmente, faria renascer a esperança nas três regiões de onde nos chegam todos os desanimados e mortos-vivos de uma política e de uma economia irresponsáveis e assassinas. Este montante, ainda que insuficiente para reconstruir tudo o que ajudámos a destruir, serviria de motor para um verdadeiro renascimento e esperança: paz, saúde, alimentação, água, educação (incluindo o ensino das novas tecnologias: TI, Robótica e Inteligência Artificial…), agricultura, irrigação, energias limpas, indústrias transformadoras de matérias primas em África… Governos responsáveis e sociedades civis organizadas (derradeira fortaleza contra o Apocalipse, como muito bem o afirmou, há uma dezena de anos, Jacques Attali), em África e na Europa, seriam os garantes da boa utilização desses fundos. Acabar-se-ia, tanto quanto possível, com o binómio corruptor/corrompido e com a pilhagem sistemática das matérias primas de África !
  3. Um plano de imigração bem estruturado e organizado para a Europa e a América do Norte. Em involução demográfica, a Europa e a América do Norte precisam urgentemente de mão de obra a vários níveis. Não se trata, como é evidente, de «roubar» a matéria cinzenta de África da América Latina e do Médio Oriente! Trata-se de saber exatamente do que necessitamos para as nossas atividades e de receber dignamente todos esses seres humanos. Relembro aqui que África está com um crescimento demográfico anual de 2,9% enquanto a Europa não atinge os 1,4%. Só o Níger, cresce à razão de 3,9% por ano! É por isso do interesse de todos que os vasos comunicantes possam funcionar de forma controlada. África, como bem previu o Sr. Jean Bovin, já está a por no mercado de trabalho mais jovens do que o conjunto dos seguintes países: Estados Unidos, Canadá, Estados membros da União Europeia, Japão e Rússia. Ao restabelecer a Paz, a Esperança e o Desenvolvimento a Sul e a Este da Europa e na América Latina, a natalidade tenderá forçosamente a baixar, o que não nos impede de lançar um plano de aumento da natalidade na Europa. É muito importante relembrar que precisamos de uma natalidade de 2,2 crianças/mulher para estabilizar a nossa população, atualmente em involução (sendo que Portugal bate o record com apenas 1,2 crianças/mulher) e envelhecimento acelerados. Dito isto, o plano de imigração deve também, evidentemente, prever um nível securitário que impeça a infiltração, entre os candidatos à imigração, de elementos do Estado Islâmico e outros movimentos fundamentalistas terroristas que tentam e tentarão sempre introduzir-se nos inúmeros cavalos de Troia que todos os dias desembarcam na Europa. Para que haja tolerância e diálogo intercultural e inter-religioso é essencial a coexistência com respeito mútuo e reciprocidade de tratamento!

De facto, e em resumo, tal como qualquer bom médico age, é preciso primeiro estabelecer um diagnóstico correto e aplicar de seguida um tratamento eficaz que possa resolver simultaneamente as causas intrínsecas/endógenas e as questões extrínsecas/exógenas do drama em curso da imigração diária em massa.

Já não podemos fazer de conta que não vemos, pois corremos o risco de um dia sermos todos acusado de crime por não assistência a povos em risco e até mesmo a planeta em perigo!

Se não o fizermos desde já, são a Democracia e a Paz na Europa que estarão em causa rapidamente. É simples.

Fernando de LVieter Nobre