Com pequenos gestos, 150 voluntários levam 3.869 mochilas a crianças e jovens

Num mundo ideal “não seriam necessários voluntários para equipar mochilas, com material escolar angariado numa campanha solidária, porque todas as crianças e jovens teriam o que necessitam”. Mas, há 14 anos que o apoio da AMI e da AUCHAN faz a diferença na vida de milhares de estudantes do 1.º ao 3.º ciclo, em cada regresso às aulas. Em 2022, os 210 mil euros convertidos em material escolar representam o segundo melhor resultado da Campanha Solidária – Vales AMI.

Com as mãos em sintonia, a linha de montagem criada por 150 voluntários da AMI, Auchan, RH+, Liceu Francês e em nome individual, equipou 3.869 mochilas para crianças e jovens, com o material escolar angariado durante a Campanha Solidária – Vales AMI, “a segunda melhor em 14 anos”, afirma Isabelle Romão, diretora do departamento de Marketing e Cidadania e responsável pelo projeto na AMI. No total, somando todo o tempo que cada voluntário dedicou ao projeto “são oitocentas horas de voluntariado”.

Isabelle Romão defende que “com muitas mãos, de pequeno gesto em pequeno gesto, conseguem-se preparar milhares de mochilas com material escolar necessário para crianças e jovens começarem um novo ano letivo”.

Em Lisboa, num espaço do Regimento de Transportes do Exército, solicitado pela AMI ao Estado-Maior do Exército, os voluntários que preparam as mochilas, uma a uma, venceram o cansaço com a determinação de ver crescer a “montanha” de mochilas equipadas com lápis, canetas, cadernos, pastas, marcadores, lápis de cera, blocos de desenho, fita-cola, borrachas, réguas, esquadros, transferidores e compassos.

Para Tânia Amado, equipar mochilas até as 3.869 estarem prontas para enviar aos seus destinos é decisivo quando sabe que “os pequenos gestos feitos, de mão em mão, no fim representam uma criança ou um jovem que tem na escola e em casa o material escolar base necessário para o próximo ano letivo”.

A presidente do Conselho Fiscal da AMI faz voluntariado com a instituição há 11 anos e não foi a primeira vez que segurou nas suas mãos as mochilas da Campanha Solidária – Vales AMI. Tânia Amado voluntaria-se sempre para esta ação porque “a vida só tem sentido se colocarmos sentido na vida”.

Madeleine Lemos da empresa RH+ decidiu acompanhar a 14.ª edição da Campanha Solidária – Vales AMI “para fazer a diferença, além do trabalho”. O voluntariado é política da empresa para a qual trabalha e, desde há vários anos, a operadora de sistemas participa em ações numa Lisboa onde “desconhecia que havia tantas instituições ligadas à solidariedade social”. Em setembro foi a vez de conhecer o que acontece por detrás da Campanha Solidária – Vales AMI, “desde a angariação à colocação nas mochilas e como estas são preparadas para ser entregues no destino”, conta Madeleine Lemos. Um desafio que abraçou com “a certeza de que cada pequeno gesto vale a pena, pelo impacto que causa na vida de milhares de crianças”.

Uma dimensão que Madeleine Lemos considera “gratificante”, por saber que “há muitas pessoas dispostas a fazer do mundo um lugar um pouco melhor” e, simultaneamente, sente-se “triste” por saber que “ainda há muitas crianças a precisar de ajuda”.

Paulo Monteiro, diretor de Responsabilidade Social e Corporativa da Auchan reconhece que “idealmente, seria bom sinal nenhum voluntário ajudar a equipar mochilas, significava que nenhuma criança ou jovem necessitava de ajuda e todos tinham o que precisavam. Infelizmente não é assim”.

De Vila Nova de Gaia a Cascais, todas as mochilas já foram entregues através dos centros Porta Amiga e núcleos da AMI, para que os estudantes possam iniciar o ano letivo 2022/2023 com o essencial do material escolar, avaliado em 54,00 euros por mochila, 210 mil euros no total.

O Centro Porta Amiga das Olaias recebeu a maior parte, 839 no total; em Almada foram entregues 686 mochilas; e no Porto e em Vila Nova de Gaia foram entregues 548 e 532, respetivamente. Em Angra do Heroísmo 318 crianças e jovens receberam as mochilas solidárias totalmente equipadas; em Chelas foram entregues 280 e em Cascais, 183; ao Funchal chegaram 138 mochilas e 95 foram para o Centro Porta Amiga de Coimbra. Os núcleos da AMI de Anadia, Horta, Lousada e Montemor receberam as restantes.

Desde a primeira edição do projeto, realizada em 2008, já foi possível converter cerca de dois milhões de euros em material escolar para mais de 46 mil crianças e jovens beneficiários dos equipamentos sociais da AMI.